Um olhar para a longevidade

Feldenkrais Oscar 01Uma visão do método Feldenkrais:

“Para essa abordagem, a longevidade vem do prazer em sentir-se vivo.”

Quando pensamos em longevidade, pensamos em vida longa, mas com certeza, não é apenas o tempo que se pensa, mas também a qualidade desta vida.

Todos querem chegar a etapa final, plenos de consciência e autonomia para realizar nossas necessidades vitais e os nossos desejos, certo? Assim acredita Cecilia Gobeht, que atende pelo método Feldenkrais no Espaço Florescer.

Quando queremos saber se alguém está vivo, procuramos ver se está respirando e se o coração está batendo. Tanto respirar como os músculos que contraem nosso coração são movimentos baseados numa pulsação, ou seja,  num ritmo próprio. Assim chegamos no pensamento de Moshe Feldenkrais  criador do método que leva o seu nome; ele afirma “Vida é movimento, sem movimento a vida se torna inconcebível.”

O exemplo inicial ilustra exatamente isso. Segundo Feldenkrais lugares no corpo que não se movimentam fazem com que a pessoa perca a vitalidade, e talvez até o interesse pelo o que a vida lhe oferece. Esta prática desenvolve-se a partir de movimentos muito simples nos quais a percepção do que se está fazendo e como se escolhe realizá-los é mais importante do que o resultado final daquela ação específica.

Porque não é só os músculos das costas ou as articulações que se endurecem mas também os pensamentos se tornam rígidos, inflexíveis; as relações afetivas mais fortes começam a ficar desinteressantes por uma certa paralisação que os hábitos trazem. Com isso as sensações, os órgãos dos sentidos vão se entorpecendo, se embotando pouco a pouco, até que tudo fique morno, frio, sem movimento, sem a manutenção do vigor da vida.

Para isso a prática do Método Feldenkrais propõe caminhos através do movimento e das sensações de modo que qualquer pessoa, em qualquer idade possa melhorar todas as suas funções vitais como respirar, andar, dormir, entre outras.

E ao fazer as ações que já estão habituadas, de uma nova maneira, alcance um dia-a-dia com menos estresse e ansiedade.

Cecilia Gobeth faz atendimentos particulares e aulas em grupos, alem da formação na técnica de feldenkrais. Em suas aulas estão alunos de todas as idades, desde adolescentes ate senhores de mais de 75 anos.

Depoimentos de aluno:

“Uma coisa sensacional, perceber que há possibilidades sempre, qualquer que seja a época da vida, há sempre mais possibilidades com o nosso corpo.” Oscar F., músico e empresário, 64 anos

“Fui entendendo que era um modo, uma maneira diferente de estar no dia-a-dia… Mais tranquilo. Pensando antes de fazer as coisas, os movimentos que a gente faz, dos mais diversos, no trânsito, no trabalho, pegando o neto no colo…” Oscar ., músico e empresário, 64 anos

“Você repensa o obvio. Andar não é mais simplesmente andar… mas um ato de de caminhar, de estar no mundo, de se levar a passear… e por isso casa passo é uma gratidão!” Silvia, dona de casa, 68 anos.

“Quando descobrir que ficar parado, não eh ficar parado, mas estar em força contra a gravidade, me dei conta que a vida tinha muito mais pra me ensinar.” Edson, 72 anos.

“Minha mãe quem me trouxe, e eu não compreendo bem o feldenrkrais, mas gosto das terças quando venho aqui!” Rafael, 16 anos.

  As aulas em grupo o instrutor utiliza a comunicação verbal para que cada aluno traduza as instruções ouvidas em movimentos. O trabalho individual acontece pela comunicação não-verbal, ou seja, um toque sutil conduz ao movimento e as sensações, esse modo é ainda mais  indicado para começar quando há dores muito fortes ou maior limitação de movimentos.

Cecília Gobeth 01Cecília Gobeth,

Dançarina e educadora somática. Instrutora e professora do Método Feldenkrais pela Associação Feldenkrais do Brasil (AFB)